Bg_site_br

Todas as imagens e o texto neste post são de autoria de Gabriel Marzinotto.

É engraçado que este post é um que vem sendo planejado desde que a Flora me convidou pra fazer essa coluna. Quando falei que pretendia não fazer algo exclusivo para comidas de barraquinhas de rua eu estava pensando no lámen do Aska e sei que ela também sempre achou válido. Só demorei  pra escrever porque fica no limite mesmo das definições auto impostas desse espaço. Afinal, é dentro de um restaurante, tem fila na porta – que fica fechada, aliás. Parece algo que não encaixa no conceito daqui. Mas quem conhece o Aska acho que entende um pouco a escolha.

Porque lámen não é uma comida de rua, mas é uma comida rápida, pra ser devorada em um balcão – ou em uma mesa comum, dividida entre estranhos – e dar aquela forrada no estômago sem enrolação.  Por isso ele está aqui. E porque o Aska é um lugar que funciona nessas normas rígidas da comida rápida: se enrolar te apressam até você sair fora.


Foi no final de 2009/ início de 2010 que comecei a pegar o jeito de fazer biscoitos.
Eu sou o tipo da pessoa que pode errar muitas vezes, mas pelo menos erro prestando atenção, então vou lembrando dos erros e evitando eles cada vez que preparo uma receita. Depois de algum tempo (às vezes demorado, às vezes rápido) aprendo a acertar.
Bom, o caso foi que meu irmão só viu biscoitos que eu fiz quando eu já estava mais pro lado do acerto, e lembro de ele ter ficado impressionado. Fiquei tão contente de ele gostar dos doces, que quando dá (quando minha mãe me visita) faço alguma coisa pra mandar pra ele. Aí que eu quis fazer um bolo pro aniversário dele que fosse muito bonito e amoroso.