Bg_site_br

Existir não é um negócio simples, embora haja momentos absolutamente deliciosos nessa vida.
Dizem por aí que na adolescência a gente passa por questionamentos, dúvidas e tudo o mais. Mas, seriamente, há quem possa dizer que passou dos 20 e agora sabe o que fazer com tudo isso que a gente é?
Eu continuo sem saber, de verdade.

Quando eu morava em Sampa e esse sentimento ficava muito grande, no primeiro dia que tivesse folga ia para a Liberdade. É um lugar que sempre me fascinou, desde os primeiros meses na cidade. Percorrendo 4 estações de metrô, eu chegava a outro mundo. Bonito, intrigante, incompreensível. Ia passear, me perder nas ruazinhas, e por algumas horas absorvia o lugar só com os sentidos, sem pensar, sem tentar entender. Me reconfortava essa sensação de ser estrangeira.
E tem uma comida que pra mim resume e traz à tona todo esse clima: lámen.


Todas as imagens e o texto neste post são de autoria de Gabriel Marzinotto.

É Junho, então é época de aproveitar as festas juninas por aí. Aqui em São Paulo dá pra achar festas das mais distintas tradições, pratos típicos variados. Mas se tem uma constante em toda festa junina que se preze é a fogazza. Não? Bem, então é a constante na festa junina aqui do lado da minha casa. O que está ótimo pra mim.


Todas as imagens e o texto neste post são de autoria de Gabriel Marzinotto.

É engraçado que este post é um que vem sendo planejado desde que a Flora me convidou pra fazer essa coluna. Quando falei que pretendia não fazer algo exclusivo para comidas de barraquinhas de rua eu estava pensando no lámen do Aska e sei que ela também sempre achou válido. Só demorei  pra escrever porque fica no limite mesmo das definições auto impostas desse espaço. Afinal, é dentro de um restaurante, tem fila na porta – que fica fechada, aliás. Parece algo que não encaixa no conceito daqui. Mas quem conhece o Aska acho que entende um pouco a escolha.

Porque lámen não é uma comida de rua, mas é uma comida rápida, pra ser devorada em um balcão – ou em uma mesa comum, dividida entre estranhos – e dar aquela forrada no estômago sem enrolação.  Por isso ele está aqui. E porque o Aska é um lugar que funciona nessas normas rígidas da comida rápida: se enrolar te apressam até você sair fora.


Quando ainda estava na faculdade, se eu sabia que ia ter um período de trabalho intenso, comprava uma meia dúzia de pacotes de miojo e deixava no armário para "casos de emergência" (leia-se "casos de chegar da rua com fome e cansada, querendo apenas tomar banho e capotar").
Mas né? Miojo não é o tipo da coisa que costuma frequentar minha cozinha, devido a quantidade de tranqueiras industrializadas em sua composição. Conversando com um amigo sobre o impasse, ele deu uma idéia muito boa de substituição. Depois, pensando mais sobre o tema "miojo", cheguei a uma conclusão meio filosófica sobre o problema. Vejamos.


2

Alho, óleo e o hortelã

05/06/2014 - 2 Comentários - Receitas | Alho, Hortelã, Massa, Pimenta

Acho que as pessoas com preguiça e/ou cansadas também têm direito a um jantar bacaninha depois de um dia longo de trabalho.

Resolvi sair um pouco do lugar-comum acrescentando hortelã macerado ao óleo neste macarrão.


4

Nhoque pra vida

05/06/2014 - 4 Comentários - Receitas | Batata, Massa

Esta é a - melhor - receita - de - nhoque - da - minha - vida.

Nunca mais ela será trocada ou abandonada, nunca mais nhoques abstratos.

Ela é tão simples, tão saborosa, tão leve, e tão versátil.

Eu diria que estou apaixonada.


0

Macarrão com ervilhas tortas e rabanetes

05/06/2014 - 0 Comentários - Receitas | Ervilha, Massa, Rabanete

Almoço de encher os olhos.


0

Macarrão com molho de tomate

05/06/2014 - 0 Comentários - Receitas | Massa, Tomate

Macarrão de dia de semana, feito a quatro mãos, bem simples, só com molho de tomate e pimenta calabreza. Usamos os tomates da feira da água branca, e ficou excelente!

Me inspirei no molho da Pim, e achei que tem muito mais graça que o meu molho habitual.


0

Nhoque abstrato

05/06/2014 - 0 Comentários - Receitas | Massa

Meus nhoques ficaram cada um com uma forma, e nenhuma delas muito conhecida.

Porém, em defesa deles, posso dizer que a textura e o sabor estavam muito bons.

As batatas doces combinam com o parmesão ralado que é uma beleza!

Servi com uma salada de alface e sementes de girassol.