Logo-2017

Faz pelo menos um ou dois verões que tenho vontade de publicar receita de picolé, já não me lembro.

Nesse tempo todo venho pensando em como fazer picolés que não sejam blocos de gelo duro, mas que também não dêem muito trabalho (ou seja: que não exijam usar batedeira ou remisturar a cada meia hora) e que também não levem ingredientes industrializados esquisitos.

Hummm. Como simplificar?

Bom, descobri algumas coisas sobre o processo através de tentativa e erro, e acho que finalmente dá pra postar uma " fórmula" como fiz com as barrinhas crocantes.

Porém, antes de pular para a receita, queria contar que fui entrevistada pela Melanie Moreira para o site Receitas sem fronteiras, contando um pouco sobre os caminhos que me levam para a cozinha.

A foto que ilustra a entrevista é da Nicole Samperi, para ler clique aqui. Vai que você anima a ir pra cozinha também? :)


1

Falsa compota de verão

05/06/2014 - 1 Comentários - Receitas | Calor, Fruta

 

Uma compota de frutas de verdade é aquela coisa bonita, de casa de avó.

Um vidrão com frutas em pedaços, mergulhadas em uma calda de açúcar.

Onde a minha avó morava tinha uma pereira, e quando era época de pêra ninguém dava conta de comer tudo aquilo. Pra resolver o problema, se fazia a compota, que é um jeito de conservar a fruta.

Agora, esse doce aqui que eu fiz não serve pra conservar, não dura muito tempo.

Mas tem um gosto e uma cara bem parecidos, levando muito menos açúcar.


(Relevem o garfo na primeira foto. Tava posta a mesa do café, portanto tinha uma colher ali por perto também...)

Há uns 300 anos eu tinha salvo essa receita aqui do blog da Patrícia, que eu queria muito testar. A Ana Elisa também postou uma outra gelatina de fruta de verdade, e fui gostando muito da idéia. Dizem que gelatina faz bem pra mil coisas, e é tão facinho de preparar mas, sinceramente, aqueles sabores de gelatina de caixinha raramente apetecem.

Daí que outro dia vi a embalagem de agar agar quase vencendo no fundo da gaveta, olhei praquela manga hiper madura pedindo socorro, e soube o que ia ter pro café da manhã.

Porque agar agar em vez de gelatina comum?

Bom, porque é difícil de me controlar nos mercadinhos da Liberdade e não comprar coisas com embalagens bonitas. De qualquer forma, tento restringir essas compras a itens que tenham algum utilidade, mesmo se não forem necessários na minha vida.

Confissões à parte, vamos à receita.