Bg_site_br

Existe um certo tipo de alegria específico que vem dos dias que se pode passar inteiros vestida em calças de moletom. Porque:
a) a temperatura baixou um pouco, e isso sempre é bem vindo ao fim do verão; e
b) o ócio ganha espaço em meio a dias de muito planejamento e muita execução. 

De verdade, que coisa boa amanhecer sem despertador, ler na cama aquele livro que andava empacado, preparar uma receita fácil ligando o forno pra aquecer a cozinha um pouco. Sem pensar muito no que fazer a seguir.
Com uma só tigela preparo estes cookies macios com o crocante da castanha, são ótimos para beliscar, tomar café, fazer um lanche.

 


Ando meio filosófica, pensativa, lendo sobre diferentes modos de entender a vida, o quotidiano, espiritualidade. Talvez não faça lá muito sentido do jeito que falo, mas o fato é que ando prestando atenção no que é que cada situação me traz.
Assim como to interessadíssima em estudar maneiras de prestar atenção ao corpo, quero prestar atenção nas maneiras de me/nos relacionar com as pessoas ao redor e as situações que aparecem a cada 5 minutos.
"E daí?" você me pergunta. 

Daí que pedalando por Pomerode reparei nas goiabeiras carregadas, dando tanta fruta que a gente mal sabe o que fazer com tudo isso.
Lembrei que a Dede, uma amigona, me disse que deveria publicar uma receita de frapuccino - uma bebida doce, cremosa e refrescante, que ela gosta de tomar no starbucks.

A rigor, frapuccino é uma  versão de frappé. Era pra ser uma bebida batida até se tornar aerada e cheia de bolhinhas, costuma levar café e é comum adicionar açúcar, baunilha, creme.
E qual é a diferença em relação a vitaminas, café gelado, capuccino gelado? Bom, é um pouco difícil definir. Ao que parece, a diferença está justamente nas bolhinhas, no ar incorporado. Pra isso, se bate no liquidificador por mais tempo.


Não sei ao certo porquê, mas nos últimos 5 anos o óleo de coco caiu nas graças do povo. Fico me perguntando como é que isso acontece.
Será que no mesmo momento foram publicados alguns estudos e artigos sobre suas fantásticas propriedades obtidas através de uso tópico ou e interno? Será que o Bono Vox ou alguma celebridade muito gata deu algum depoimento a respeito?
É a mesma coisa com todas essas ondas de "super foods" - elas me deixam intrigada e desconfiada.
Não digo que couve, goji, chia, açaí, não tenham nutrientes excelentes, mas sei lá... não acho que concentrar todas as esperanças em alguns itens específicos vá salvar o mundo.

Seja como for, em algum momento do ano passado ou do outro, resolvi experimentar o bendito óleo de coco. E olha que gostei do bichinho.
Com certeza, a primeira vez que comprei foi durante os meses frios, pois lembro que à temperatura ambiente no armário o óleo de coco ficava sólido (e isso só acontece abaixo de 25oC, conforme a própria embalagem diz).
Logo adquiri o hábito de passá-lo no pão como fazia com a manteiga.


Lembra uma vez que eu disse um dos motivos que me faz considerar avós tão ninja?
Elas são sensacionais! Não importa que alguma coisa saia errada ou fora do esperado, elas têm uma habilidade inacreditável de transformar alguma coisa em outra coisa. Uma que dê certo. 
Isso é particularmente verdade na cozinha, mas se aplica a outras áreas do conhecimento, com certeza. 
Eu, que estou longíssimo de ser avó, pelo menos posso ir treinando meu lado ninja desde já.

Acontece que nos últimos tempos meu namorado e eu temos nos interessado um bocado por café. Temos experimentado variedades especiais, torras diferentes, acidez assim, aroma assado... Não que sejamos grandes entendedores do assunto, mas gostamos bem.
Aí, em um dia em que eu *precisava* beber café com o bolo que havia preparado, tava sem nem um grão em casa.
Bom, que dúvida? Desci no mercadinho da esquina e comprei café em pó mesmo, de uma marca comum. 
Pra minha surpresa, o paladar não gostou. Não achou nem ok. 
Ora, veja só, fiquei mal acostumada!
Aí é que precisei pôr a mente pra funcionar: como lidar com ½ kg de café que não gostei nadica?


A coisa mais comum do mundo é me ver com uma grande xícara de chá na mão ou ao lado enquanto eu estiver em casa - lendo, trabalhando no computador, cozinhando, cuidando da casa, jogando conversa fora...

Como com qualquer outra coisa que sai da minha cozinha, gosto de experimentar combinações, este é o primeiro motivo que me faz desanimar dos chás de sachê.


Não sei vocês, mas eu sou uma pessoa que gosta de comida. Mesmo.

Me dá um bruta mau humor ter fome e/ou vontade de comer, e não ter nada à mão para beliscar.

E com essa onda em que ando de comer direitinho e saudável, a trama se complica.

Porque às vezes até daria pra quebrar o galho em alguma padaria do caminho, mas não ando com vontade de comer pão de queijo e pão francês o tempo todo (além do mais, cada bocadinho que se compra na rua em São Paulo representa uma porcentagem significativa dos ganhos mensais de um ser humano).

Eis que em maio do ano passado, juntando informações daqui e dali, e testando um pouco, fiquei feliz com a receita/fórmula que desenvolvi para barrinhas de aveia.

Cê vê: elas ficaram do jeito que eu gosto. Crocantes, e aceitando bastante variação nos ingredientes.

A questão é a seguinte: se eu tenho fome, em geral preciso de algo salgado. E isso não é possível com a receita daquelas barrinhas de aveia.

Têm aparecido no mercado algumas opções de barrinhas salgadas. Pelo que ouvi dizer, quase todas são esquisitas ao paladar. Ainda assim, são possíveis.

Lá vai a Flora procurar pela internet receitas de barrinhas salgadas. Mas não foi fácil de achar.


Bom, todos sabemos o que acontece me uma semana com a família em um feriado.

Acontece que a gente se diverte, esquece da vida, e aproveita pra comer muito bem.

Então roubei dos meus tios uma idéia bacana, que é passar a semana seguinte "desintoxicando" o corpo com mais vegetais frescos e menos massa.

Chegando a SP passei no mercado pra comprar várias frutas e várias verduras, almocei sopa.

E à noite resolvi fazer um pão de cenoura.


Pra alegrar a vida do menino, que ta morrendo resfriado e não pode nem sair de casa, fiz uns esquilos.