Logo-2017

1

Madalena de verduras, pois comilões sempre dão um jeito.

23/01/2015 - 1 Comentários - Receitas | Alho, Beterraba, Cebola, Cenoura, Inhame, Limão, Óleo de oliva, Pimenta, Salsa, Sem desperdício, Sem glúten, Sem laticínios, Sem ovos, Tomate, Vagem, Vegano

Quando a gente sai pra comer em um buffet ou restaurante por quilo, sempre tem muito mais opções do que caberia civilizadamente em um prato. É claro, um truque meio safado desses restaurantes é apelar para o comilão que existe dentro de cada um e nos deixar com vontade de experimentar tudo (ahem... comigo não é difícil).
Às vezes, uma das opções que me deixa com água na boca é justamente aquela torta Madalena. Sabe? É meio torta, meio empadão: leva uma camada de carne moída temperada com verduras no fundo da assadeira, coberta com uma camada de purê de batata fofinho.
Me parece um belíssimo almoço! Só pôr uma salada crua do lado, e sucesso.
Só que não gosto de carne e não como carne, então nunca dá pé experimentar o prato. A mesma coisa me acontece no caso do escondidinho, que é praticamente a mesma coisa, apenas substituindo o purê de batata por purê de mandioca, e a carne moída por carne seca desfiada.
Ô vida.
Aí, um belo dia preparei minha própria versão com as verduras que tinha em casa.
Os onívoros na platéia talvez continuem preferindo a versão com carne sempre, mas pra vocês aí que querem dar uma variada, ou que também não comem carne, recomendo muito experimentar a receita.Não por acaso, esse blog se chama É o que tem pra hoje. Acontece que gosto muito de comprar o que tiver na feira e pensar o cardápio depois, de abrir na geladeira e inventar o prato do dia. De modos que usei como base para a torta vagem verde e talos de beterraba.

(Um parêntesis sobre o talo de beterraba: eu comia tanta beterraba em algum momento da minha vida, que agora dei uma enjoada. Mas quando compro sempre peço os maços inteiros, e às vezes até nem compro mas peço as folhas na banca da feira. Acreditem ou não, essas partes não convencionais têm uma concentração maior de ferro e cálcio do que a "parte principal" da planta. Gosto de comer as folhas cruas em saladas, ou de refogar com alho e azeite como costumo fazer com couve.
Já os talos, saborosíssimos, mas muito menos doces que as próprias beterrabas, ficam excelentes em refogados e sopas. Fecha parêntesis)

O tempero tradicional da receita, se entendi direito, leva cenouras e tomates, alho e cebola, mais uma pimentinha vermelha e salsa. Uma combinação que gosto muito é entre raspas de casca de limão e talos de beterraba refogados, então incluí também.
Como não estou exatamente seguindo a tradição aqui, no lugar das batatas inglesas fiz purê de inhame. Dá pra estender a lógica da receita e fazer versões com purê de batata doce, de abóbora, de batata salsa, por aí vai. As berinjelas e pimentões acabaram indo pra outra receita, a caponata.
Os ingredientes que usei para uma forma de 28cm de diâmetro por uns 6cm de altura, foram:

400g inhame (em torno de 6 inhames médios)
6 dentes de alho
2 cebolas miúdas
talos de um maço de beterrabas
2 cenouras
3 tomates
1/2 maço de vagem verde
raspa da casca de meio limão galego
pimenta calabresa à gosto
salsa picada à gosto
sal à gosto
azeite de oliva, o quanto baste

Lavei os inhames sob água corrente e os cozinhei com casca até ficarem bem macios. Enquanto isso, fui lavando, descascando e picando as verduras (em cubos pequenos), e fiz o mesmo com a cebola e o alho.
Quando os inhames já estavam bem macios (testei espetando um garfo), deliguei o fogo e os descasquei. É só puxar a casca com uma faquinha que ela sai em tiras.
Passei pelo espremedor de batatas enquanto estavam ainda quentes, sobre uma tigela, e ali mesmo temperei com sal e azeite de oliva, e salsinha picada. Misturei bem com uma colher e deixei de lado. Se não tiver espremedor, um garfo serve.

Em uma panela grande (pra poder mexer as verduras sem me preocupar se cairiam para fora), aqueci umas 4 colheres de sopa de azeite de oliva sobre fogo alto, e ali refoguei o alho e a cebola. Adicionei as cenouras e deixei refogar no fogo alto um pouco, depois os talos de beterraba, as vagens, os tomates, a raspa da casca de limão. Dei uma mexida com colher de pau, baixei o fogo, tampei, deixei refogar até ficar al dente. Que que isso quer dizer, se estamos falando de verduras e não macarrão? Quer dizer: ficar cozido, porém não macio. Temperei com sal, pimenta calabresa em flocos, experimentei.
Deixei cozinhar mais um pouquinho em fogo baixo, com a panela tampada, para que o tempero ficasse incorporado.

Liguei o forno a 180oC para ir aquecendo. Derramei o refogado de verduras no fundo da travessa, espalhei por cima todo o purê de inhame e com as costas de uma colher uniformizei. Espalhei azeite de oliva sobre o purê para dar um acabamento e levei ao forno por meia hora.
Servi com salada crua.

Rende 6 porções. O que não foi comido na hora, guardei tampado na geladeira, dentro da travessa mesmo. Assim, dura até 5 dias.

Gostaram?
Vocês também têm alguma comida que gostam muito, mas trocam o ingrediente principal? rs
Alguém tem truques sobre a torta Madalena pra dividir conosco?
Contem tudo nos comentários!

28/07/2015 11:48:42

Elsa Regina

Comentário
Adorei a receita! Farei! Bj!

Resposta da Flora
Oba! Depois me conte que tal saiu. Fiquei feliz de te ver por aqui, Regina :) Beijos!

Deixar um Comentário